Apoios

Apoios

domingo, 18 de agosto de 2013

Ida à Torre… e regressar!

Com o meu regresso ao ciclismo, regressou também a vontade de fazer quilómetros e dessa forma desfrutar em cima da bike o máximo possível.

O facto de estar a decorrer a Volta a Portugal em bicicleta (que terminou hoje em Viseu) e de eu estar a gozar mais alguns dias de férias, aproveitei para pedalar com o ‘pretexto’ da Volta.
No domingo passado fui até à Sra. da Graça a solo (último artigo publicado no blogue) e para esta sexta-feira tinha também previsto mais uma saída a solo em direção ao Alto da Torre, algo que acabou por sofrer alterações.

Numa visita a Amarante a meio da semana, que se desenvolveu para um encontro com um amigo (Zé Silva), aproveitei para desafiar o mencionado a fazer-me companhia na tirada desde Moimenta da Beira até ao ponto mais alto de Portugal continental.
Ele acabou por aceitar o desafio e, já na quinta-feira à noite durante o jantar em minha casa, a falar sobre a saída que iríamos realizar no dia seguinte, resolvemos não sacrificar a nossa motorista de serviço (a Cristina), que teria de nos ir buscar à Torre, e decidimos ir e voltar de bike.
Se inicialmente pareceu uma loucura, tornou-se num desafio, num desafio que acabou por se concretizar!

Dados do dia: 266,5 km com 4.434 m D+ em 10h23m a pedalar!

Não é preciso escrever muito mais sobre tal épico dia, ficam algumas fotos, o mapa do percurso e o gráfico de altimetria, onde devo dar destaque ao facto de que a escala de altitude ser de 500 em 500 metros!

Fica também uma palavra de agradecimento para um grupo de pessoas desconhecidas que com muita simpatia e enorme disponibilidade, nos convidaram a comer e a beber na sua “barraca”, já na nossa parte descendente da Serra da Estrela!

gráfico_torreSem Título2013-08-16 20.47.162013-08-16 20.48.212013-08-16 09.19.052013-08-16 11.28.262013-08-16 12.20.432013-08-16 13.30.122013-08-16 13.37.482013-08-16 13.37.582013-08-16 13.38.232013-08-16 13.52.002013-08-16 13.52.322013-08-16 14.42.572013-08-16 15.08.202013-08-16 15.11.482013-08-16 15.11.552013-08-16 15.19.122013-08-16 20.45.36

segunda-feira, 12 de agosto de 2013

Senhora da Graça - Alto do Monte Farinha “a Solo”!

IMG_5870Mais uma etapa da Volta a Portugal em bicicleta com final na Senhora da Graça - Alto do Monte Farinha e mais uma vez fiz a ligação desde casa até à Sra. da Graça.

IMG_5874Desta vez a dificuldade foi um ‘pouco’ maior, não só pela condição física que continua ainda aquém do que era, mas essencialmente por ter realizado os 135 quilómetros com cerca de 2500 metros de desnível vertical acumulado ‘a solo’, ou seja, sem qualquer parceiro de pedal.
Também não posso nem devo esquecer de mencionar que a subida desde Mondim de Basto até ao topo do Monte Farinha foi brindada com uma temperatura muito próxima dos 40ºC (39,4ºC de média, registou o Edge 800 em tal sector do percurso)!

Sim, foi uma viagem em solitário!
Fazer este percurso sozinho é uma aventura engraçada! Tem vantagens! São horas em que apenas fui eu, a minha bike e o resto! O resto.., do resto aproveita-se tudo aquilo que os olhos veem, que a paisagem, seja apreciada uma ou mais vezes, é magnífica e vale todos os momentos!

sragraça

Quanto à subida que move a fazer tal percurso, foi dura, muito dura de fazer!IMG_5883
Entrei nela já com o andamento mais leve (39x25) que possuo na Izalco e a lamentar-me por não ter optado por comprar uma cassete com pelo menos um carreto de 28 dentes, para usar pelo menos enquanto as pernas andam nesta condição…
14474_10200362347607762_1137562834_nFui subindo no ritmo mais lento que conseguia, mas mesmo assim, percebia que o meu andamento mais leve era muito pesado, porque continuava a passar dezenas de outros ciclistas / cicloturistas, muitos deles com uma cadência superior em umas 10/15 ppp (pedaladas por minuto). Os músculos começavam a acumular muito ácido lácteo e a menos de 3 km do final da subida senti o primeiro avisa de alarme, as cãibras estavam logo ali ao “virar da esquina”! Fui aguentando e entretanto, ao aproximar-me de outro parceiro de subida, vejo que ele pedalava com uma só perna!
Naquele mesmo momento senti inadmissível que eu pudesse estar com dificuldades para completar tal objetivo e dessa forma ganhei a força suficiente para chegar lá “cima”, tirar a foto da praxe e descer, rumo ao restaurante onde me esperava mulher, filhas e sogro, que foram durante parte da manhã, o meu carro de apoio!

O resto do dia, foi desfrutar da companhia da família numa sombra, que o calor foi muito, e esperar que os verdadeiros ciclistas completassem a etapa!

Quanto ao dia de hoje, foi aproveitado pela manhã para uma voltinha de descompressão!
Nada de especial, foram apenas 57 km com 600 m D+ em ritmo calmo, para perceber o estado das pernas após o dia de ontem!

hoje

NB - Artigo escrito de acordo com o novo acordo ortográfico!

segunda-feira, 5 de agosto de 2013

4 Horas Resistência BTT da Beselga, Penedono

Objectivos cumpridos, mas acabou 'picante'!

Os objectivos eram; divertir-me, voltar ao BTT de uma forma mais intensa e habituar-me à nova 29er.

beselga1Diverti-me bastante, num ritmo que acabou por ser um pouco mais alto do que aquilo que tinha em mente, apesar de não ser em intensidade máxima, e comecei o processo de habituação à Focus Raven 29er, com comportamentos diferentes da minha anterior 29er, a Specialized Stumpjumper.

O circuito, com cerca de 9,8 km e 174 m de desnível vertical, era intenso, sem partes planas e com zonas de nível técnico um pouco alto.

Apesar destas 4 Horas de Resistência terem sido realizadas numa tarde de Agosto, as temperaturas não estavam muito elevadas (registei no meu Garmin Edge 800, como temperatura máxima os 29,3ºC), o que 'facilitou' a minha participação neste evento.

Quanto às minhas sensações, foi o regresso esperado!
Falta de ritmo e de hábitos no BTT, o que é natural dado que a última vez que tinha andado em trilhos normais de BTT a ritmo médio / alto foi a 1 de Abril de 2012 na maratona de Sintra, esta que acabou por me levar à longa paragem que fiz (tive mais 3 experiência no BTT após essa maratona, mas foram em ritmo de passeio...lento e a medo!)!

O meu desempenho no evento, apesar de não ser minimamente importante (e interessante, diga-se!) foi condicionado à 7ª volta, quando um …. sujeito fez o favor de me, literalmente, mandar às silvas!
Acabei por completar 7 voltas ao circuito, optando por abdicar da 8ª volta, já que os espinhos provocavam dor e a minha participação era tão só para 3 objectivos (não existia um 4º que, a existir, seria lutar pelo melhor lugar possível!) e os 3 estavam cumpridos!

Artigo escrito de acordo com o novo acordo ortográfico!

sábado, 3 de agosto de 2013

BTT Competitivo, o Regresso!

No dia em que volto ao BTT competitivo, cabe-me fazer um resumo do meu regresso ao ciclismo/cicloturismo!

O regresso ao “pedal”, após uma ausência tão prolongada, foi extremamente difícil e nos seus primeiros dias, o mencionado regresso foi mesmo posto em causa…!

Quando se anda num nível um pouco mais alto, superior ao que pode ser considerado normal, são criados automatismos e hábitos que se tornam naturais. Tudo passa a estar num certo patamar “tão normal” que, mesmo quando se para por longos meses, não parece ser possível que se volte a regredir! Pois bem, a paragem (longa) leva a que esse patamar fique longe, bem longe!

Se antes era possível chegar a determinados níveis de potência de esforço, depois quando se volta, custa a aceitar que já não se chega “lá”. Esta é, e foi, a principal dificuldade do regresso, o factor psicológico!
Antes, tudo estava de acordo com a capacidade física disponível, ou seja, com a perda de forma as desmultiplicações das mudanças na bicicleta, tornam-se (muito) mais pesadas! Outra dificuldade…, o regresso ser feito na máquina que está preparada para a capacidade física que existia antes da perda forma!
Outra dificuldade, não menos importante, tem a ver com o facto do corpo estar habituado a coisas tão simples como, por exemplo, a um selim pensado no seu baixo peso, pouco esponjoso… quando se regressa, sente-se que afinal o selim é afinal muito mais duro do que aquilo que se pensava! :)

Com ‘alguma’ vontade e espírito de sacrifício, volta-se aos poucos a ter um pouco daquilo que se perdeu, volta-se a desfrutar do prazer que uma bicicleta dá a quem tanto gosta desta atividade!

Depois de ter voltado a pedalar no passado dia 21 de Maio, já com um bom período de férias salgadas pelo meio também, tenho hoje 1.986 km nas pernas e é também hoje que, durante a tarde, irei participar nas 4 Horas de Resistência BTT, evento que se realiza na Beselga, Penedono.

Objetivos?
Divertir-me, voltar a fazer BTT de forma ‘mais ou menos’ intensa e habituar-me à minha mais recente bicicleta de BTT!
Classificação?
Não ser o último! :)

Voltarei para escrever sobre o evento de hoje, 4 Horas Resistência BTT!

Até breve!

Artigo escrito de acordo com o novo acordo ortográfico!