Apoios

Apoios

terça-feira, 9 de setembro de 2008

Rota das Aldeias Históricas - GR22 - Conclusão

Iniciei esta aventura consciente das várias dificuldades da mesma; dificuldade do próprio terreno, acumulados elevados, autonomia total, vários dias em esforço, peso de todo o material a transportar, destinos com pouco para “oferecer”, ... mas todas as dificuldades eram também um motivo de querer, uma forma de motivação.
No final de tudo que passei, reconheço que autonomia total numa aventura tão exigente, é de evitar! Existem alguns factores que me levam a tirar esta conclusão; menos uns quilogramas de peso a transportar, o descanso de não haver preocupação com local para montar tendas, a falta de um bom banho ao fim da etapa, o deitar numa verdadeira cama após longos e duros quilómetros, o próprio montar e desmontar tendas, ...
Existiram outros factores muito importantes e que de certa forma não foram devidamente respeitados:
1.Cumprimento de horários (essencialmente, mas não só, na hora de inicio de cada etapa)
2.Material de reparação e/ou substituição (sobretudo referente à “infestação” de furos)
3.Uma boa preparação física, assim como noção da real dificuldade esperada.
No que toca ao ponto 1, numa aventura deste calibre, com tudo o que a torna tão complicada, seria fundamental iniciar-se o mais cedo possível, para se acabar cada etapa com tempo para busca de local para acampar, reparar possíveis avarias, encontrar local onde se possa jantar, conhecer com tempo os locais que nos propusemos conhecer e visitar, descansar, descomprimir, ...
No ponto 2 está inserida a causa de não se ter completado a Rota na sua totalidade. Uma breve análise sobre a GR22 e chega-se à conclusão que os locais onde se passará não terão, com facilidade, material à venda para possíveis reparações e/ou substituições. No meu caso, e falando de furos, como uso o sistema Tubeless, levei câmara-de-ar e kit de reparação de câmaras para a eventualidade de existir um dano com maiores dimensões num pneu, porque de outra forma, a Tubeless, com pneus novos e com liquido anti-furo, a eventualidade de ficar apeado só se verifica em danos mais sérios na carcaça do pneu, o que felizmente não ocorre com facilidade. Felizmente, o meu sistema passou na prova, embora depois de ter desmontado os 2 pneus, ter tirado 2 “picos” no pneu da frente e talvez uns 20 do de trás. No caso do Gonçalo e do Nelo, correu bem pior porque furaram imenso e faltaram câmaras com liquido anti-furo para substituir as muito furadas e extremamente reparadas.
Falta falar no ponto 3, para ele basta mencionar que nos 2 primeiros dias foram feitos quase 200 quilómetros e quase 6000 metros de acumulado, era necessário uma excelente condição física para passar estes 2 dias e completar os restantes, eu preparei-me suficientemente...
Foi, de qualquer das formas, uma experiência única. Apesar de viver no interior e também na Beira Interior, não conhecia grande parte do que passei a conhecer ao fazer esta aventura, houve zonas que pouco acrescentaram àquilo a que estou habituado a ver, mas houve outras que me maravilharam, vi paisagens que me deixaram boquiaberto, paisagens que não pensava encontrar.
Quanto às Aldeias Históricas, bonitas mas pobres para aquilo que podiam e deviam ser ricas, para o turismo! Penso que deviam estar melhor exploradas, devia haver uma forma de as promover mais e terem também condições para receberem todo o tipo de turistas, nacionais ou estrangeiros.
Tenho a lamentar a avaria da minha máquina fotográfica, lamento não pela máquina, mas pelas mais de 300 fotografias que ao fim do 3º dia tinha já registadas, felizmente tinha comigo um telefone com câmara que, apesar de não ter uma excelente resolução, tinha a possível para guardar em formato digital alguns “quadros” que tive de oportunidade de presenciar “ao vivo”!

Recomendo a visita de todos às Aldeias Históricas de Portugal, mas recomendo a todos os amantes do BTT a realização da Grande Rota 22!

Podem ver todas as fotografias que pude registar, aqui neste link.

Sem comentários: