segunda-feira, 27 de novembro de 2017

Uma maratona que não se fez, uma vida que se perdeu!

IrmãosLembro-me que comigo foste no meu primeiro dia da escola primária.
Lembro-me que era habitual ires à escola sempre que era preciso alguma coisa.
Lembro-me e sei que sempre estiveste presente enquanto os anos foram passando e que aos poucos me tornei no que sou hoje.

É por tua “causa” que todos os meus amigos me tratam por César (foste a primeira a perceber que o Rui não era nome que eu gostasse de ouvir!).
Não sei por que motivo mas mais tarde passaste a chamar-me por Rui e não continuaste a tratar-me por César, como eu tanto gostava de te ouvir! Não sei o motivo e agora é tarde para te perguntar…
É tarde e não consigo perceber por que foste tão cedo.

Levaste-me também ao altar enquanto minha madrinha de casamento, onde juntos esperámos por aquela que estes dias tem sido o meu pilar principal na ajuda a conseguir aceitar este vazio que sinto quando tão precocemente partiste.

Não adianta escrever tudo o que sinto ou lembro, sei que sabias o que eras para mim!

Nunca cheguei bem a perceber de onde veio esse teu benfiquismo, mas ok, há males maiores no mundo… :)

Sei perfeitamente que não irias gostar de eu ter abortado a participação numa prova de BTT.
Sabias que eu adorava andar de bicicleta e que por nenhuma razão eu devia mudar os meus planos para o domingo passado, onde devia estar na Guarda a fazer o que eu tanto gosto, mas com tudo tão recente, não consegui… desculpa!

Descansa em paz, minha Linda irmã!

1 comentário:

Cristina Bernardo disse...

Foi o texto mais emotivo que alguma vez li...escrito por ti.
Tanto AMOR em casa palavra, tanta palavra carregada de SOFRIMENTO!
Sempre contigo, sempre juntos como tanto ela gostava de nos ver.
Amo-te e ela também...